AD (728x90)

sábado, 29 de janeiro de 2011

O Titanic terá mesmo… ido ao fundo?

tremendo sucesso do filme mais caro da História fez regressar à ribalta o naufrágio do Titanic. Este imenso e moderno navio de passageiros, naufragou durante a noite do dia 14 de Abril de 1912, levando consigo para as profundezas abissais 1515 dos seus 2224 infelizes passageiros e tripulantes. A grandeza da catástrofe sobrevive ainda hoje, permanecendo o acidente como o mais grave jamais registado em toda a História Marítima.

Recentemente, alguns historiadores têm começado a levantar algumas questões sobre o naufrágio deste transatlântico. Justin Cawthorne – um investigador britânico – chamou a atenção para o estranho facto de ter existido um anormalmente alto número de cancelamentos para a viagem inaugural do “Titanic”.

Embora a viagem inaugural tivesse sido publicitada até à exaustão e algumas das personalidades mais ricas do mundo tivessem feito quase tudo para participarem nessa viagem, 55 passageiros cancelaram no último momento o seu bilhete. De entre estes cancelamentos sobressaí o de J.P. Morgan, um dos homens mais ricos e influentes de então, dono de algumas das maiores empresas da época e o verdadeiro proprietário da sociedade por ações conhecida como “White Star Line”, a empresa que detinha o “Titanic”… Aliás, Morgan, que cancelara a inscrição alegando motivos de saúde, viria a ser avistado pouco depois de boa saúde passeando na cidade de Aix-les-Bains. Soube-se também que a maior parte da sua colecção de arte fora também retirada do navio, onde devia seguir até aos E.U.A.

O “Titanic” não era o único grande transatlântico da “White Star Line”. Existia com efeito um navio gémeo, bastante menos conhecido actualmente, mas que então era famoso pelo azar que o perseguia. Tratava-se do “Olympic”, que realizou a sua viagem inaugural a 14 de Junho de 1911, tendo na ponte o comandante E. J. Smith, precisamente o mesmo comandante que levaria o “Titanic” à catástrofe. Logo nessa primeira viagem o navio teria o seu primeiro acidente, quando, na chegada, quase esmagou um rebocador, preso entre o navio e o cais de desembarque. Meses depois, num novo acidente, o navio chocaria com o cruzador HMS “Hawke”, sendo forçado a sofrer grandes reparações em Belfast.

A “White Star Line” processaria o estado britânico, mas perderia a acção sendo obrigada a pagar uma indemnização de 250 mil libras esterlinas, um pesado encargo que se somaria aos já astronómicos 1,5 milhões que tinham sido consumidos pela construção do transatlântico. Terminadas estas reparações o “Olympic” regressava ao mar, para mais uma vez chocar, a 24 de Fevereiro de 1912, desta vez com o casco de um navio afundado, perdendo em consequência uma hélice e danificando o seu próprio casco.

Regressado mais uma vez aos estaleiros de Belfast, aqui encontraria o seu gémeo “Titanic”, que a companhia se esforçava febrilmente por terminar.

Com os seus dois mais importantes navios em estaleiro e vendo aproximar-se o fim do prazo em que o “Titanic” devia cumprir as suas provas de mar, o director executivo da companhia, J. Bruce Ismay, ordenaria a instalação de uma série de vidros panorâmicos na coberta de passeio do transatlântico, com a alegada justificação de que “impediriam que os passageiros se molhassem” (apesar de o navio ter um calado altíssimo). A apressada modificação foi estranhamente decidida quase já no fim do prazo limite para a construção e curiosamente não foi aplicada ao “Olympic”, que possuindo exactamente o mesmo desenho estava sofrendo alterações e reparações no estaleiro do lado, sabendo-se que o mesmo argumento deveria ser válido para ambos os navios.

A verdade é que com esses novos vidros era agora possível distinguir a olho nú os dois navios, até então dois gémeos idnticos. Para alguns investigadores, estas obras teriam sido realmente executadas no obscuro “Olympic” e não no famoso “Titanic”. Deste modo, o aziago “Olympic” poderia ser, muito convenientemente, feito desapa-recer num ponto muito frequentado por navios comerciais, acarretando um número minímo de mortes e recuperando o bem guarnecido seguro do “Titanic”. Isto enquanto o novíssimo “Titanic”, entretanto transformado em “Olympic”, poderia começar uma nova e lucrativa carreira.

As maiores responsabilidades pelo naufrágio foram, desde cedo, imputadas ao comandante Smith, por ter deliberadamente excedido a velocidade recomendada, mesmo depois de ter recebido cinco avisos diferentes sobre a presena de gelo na zona onde viria a naufragar. A 22,5 nós o navio seguia quase à sua velocidade máxima, e seria com essa velocidade recorde que chocaria com o gigantesco icebergue responsável pelo seu rápido afundamento. A rapidez do afundamento de um navio supostamente “inafundável” causou quase imediatamente grande celeuma. Com efeito, o transatlântico podia flutuar apenas com 4 dos 16 compartimentos estanques intactos e para que fosse para o fundo teria que perder o isolamento de mais de 16 desses compartimentos, quase no mesmo momento. Reside aqui outro facto curioso: para que esse raro acidente se desse o navio teria que navegar perto da sua velocidade máxima e teria que ter o ângulo de embate que efectivamente teve… Precisamente o que viria a suceder…

Afirma-se que a companhia teria dado ordens ao experiente comandante E. J. Smith para fazer naufragar o navio numa zona densamente usada do Atlântico Norte. E efectivamente, mais de trinta barcos e navios foram registados como navegando naquelas águas aquando da tragédia. Entre estes, os comandantes dos “Mount Temple” e do “Californian” teriam reconhecido, durante o inquérito, ter avistado o navio a afundar-se recusando a aproximação por receio de embaterem também eles contra os icebergs que se sabia estarem na zona.

Apesar de todas estas estranhas coincidências, o certo é que qualquer apuramento definitivo da verdade será sempre dificil de obter. Tanto mais porque, durante a Segunda Guerra Mundial, todos os arquivos da “White Star” foram muito convenientemente “destruídos”…

Written by

We are Creative Blogger Theme Wavers which provides user friendly, effective and easy to use themes. Each support has free and providing HD support screen casting.

0 comentários:

Total de visualizações

 
Powered by Blogger